Sábado, 10 de Abril de 2010

400

Há cerca de dois meses li sobre um novo fenómeno da internet: Chat Roulette, um sítio de conversação onde se tem acesso a milhares (há quem refira que são várias dezenas de milhar) de pessoas de todo o mundo que, simultaneamente, se mostram através da câmara. Sempre que o utilizador estiver insatisfeito com a pessoa que lhe foi destinada pela "sorte" da "roleta", pode imediatamente cancelar a ligação e pedir que a fortuna lhe apresente outra pessoa e assim sucessivamente. Uma espécie de Netmeeting dos tempos modernos.

Logo no meu primeiro dia de visita tive uma experiência muito "rica" (puro eufemismo): desde vários rapazes e homens que exibiam os seus órgãos genitais e/ou se masturbavam para a câmara, a pessoas que se limitavam simplesmente a olhar para quem estava do outro lado, uma jovem oriental que exibiu o seu corpo e se masturbou em directo, rapazes que exibiam cartazes personalizados para o espaço e onde pediam que as moças/mulheres lhes exibissem os seios, pessoas que faziam caretas, gente que injuriava e fazia gestos obscenos, gente que escondia a sua própria imagem e apenas apreciava (ou não) o destinatário, jovens e mulheres maduras em lingerie e/ou a exibir o corpo, gente que colocava a câmara em locais estratégicos e fazia de uma determinada divisão da casa uma espécie de Big Brother onde qualquer um podia seguir a sua vida naquele compartimento, e gente que simplesmente queria conversar. Sim, tive isto tudo no primeiro dia.

No segundo dia a experiência já não foi tão vasta, mas começaram a sobressair alguns comportamentos sobretudo o de homens a exibir os seus genitais e a masturbarem-se. O espaço perdeu o interesse, embora tivesse insistido várias semanas nele para poder acompanhar os comportamentos que se verificam num site onde cada um pode ser quem quiser e fazer o que quiser. Sempre que estiver insatisfeito com o que vê, despacha e passa à experiência seguinte. É incrível o que as pessoas são capazes de fazer quando julgam ser impossível a sua identificação e eventual denúncia. O Ser Humano é capaz de se vulgarizar e exibir a sua psique (sim, a verdadeira!) através da internet com uma facilidade assustadora.

Contudo, o que mais gostaria de salientar diz respeito à banalização das relações e à deflação que o Ser Humano tem em pleno século XXI. No fundo, este site revela como é possível descartar pessoas com a mesma facilidade com que se respira. Ninguém se preocupa em saber se do outro lado está alguém a precisar de conversar com outra pessoa ou com feridas na alma. Importa o nível de satisfação pessoal de cada um, e que é cada vez mais exigente! Basta um clique e já vem aí a próxima pessoa. É o conceito do zapping televisivo adaptado às pessoas. Atenção, eu disse PESSOAS, ou seja, seres com a capacidade de pensar, sentir e agir. Não me refiro a maquinetas pelas quais as pessoas parecem demonstrar mais afecto do que por qualquer outro Ser da sua espécie.

Paralelamente a este site, assinalo os canais seguidos pelas novas gerações como a MTV, com programas semelhantes ao "Chat Roulette!": Next, Room Raiders, I Want to Date Your Mom, Parental Control, entre outros. Todos eles primam pelo mesmo conceito: o programa centra-se num jovem do sexo masculino ou feminino, colocam à sua escolha vários jovens possíveis de sair ou ter um relacionamento e cabe à "estrela" de cada programa escolher aquele que melhor lhe aprouver. Os critérios de escolha são quase sempre duvidosos e dependem, essencialmente, do capricho de cada um. O que é certo é que basta um "não", "próximo", "adeus" e está feita a exclusão em detrimento de um outro que se habilita à mesma sorte.

É preocupante saber que este conceito televisivo e internáutico é cada vez mais seguido por jovens e adultos no dia-a-dia. As pessoas são, de facto, descartáveis. Para quê haver o esforço de investir em alguém, dar uma segunda oportunidade, compreender as diferenças e aceitar os defeitos, ou conhecê-la um pouco melhor quando tem ao seu alcance um mundo recheado de novas hipóteses de encontrar alguém que não cometa erros e que aceite adaptar-se à sua forma de ser? Vivemos num mundo cada vez mais egoísta, onde tudo tem que girar à volta do "eu", caso contrário faz-se um clique e tudo volta ao normal. Não há o mínimo interesse em esforçar-se ou em considerar que do outro lado está alguém com sentimentos, com uma história de vida, com um perfil condicionado pela sua experiência de vida. Clique... next.

É ainda curioso saber que as pessoas recorrem aos clichés e apregoam que não são assim, que se esforçam mas a situação é que não era sustentável. São assim, não se esforçam o suficiente e por vezes é sustentável com um pouco de paciência. As relações humanas são cada vez mais banalizadas, as pessoas perdem o seu valor enquanto pessoa e são tratadas como máquinas, com prazos de garantia e tempo de vida reduzidos, tornando-se obsoletas em escassos dias.

As pessoas têm as suas prioridades trocadas e iludem-se com a virtualidade que a vida lhes oferece. Virtualidade essa que não devia passar de um ecrã de computador, durante as navegações em sítios da rede, mas que consome os sentimentos e emoções de Seres Humanos cada vez mais indisponíveis para sofrer, amar, odiar e perder tempo. Vivemos a um ritmo alucinante, temos pressa para tudo e queremos ser práticos e eficientes nas nossas escolhas, procurando variá-las o mais possível. Contudo, no meio de tudo isto, esquecemo-nos daquilo que é mais importante e dá razão à vida: o verdadeiro amor!

publicado por diariodeumfrustrado às 00:27
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Anónimo a 12 de Abril de 2010 às 18:25
o verdadeiro amor nao existe.
mj
De diariodeumfrustrado a 12 de Abril de 2010 às 19:23
Eu ainda acredito que existe...
De Anónimo a 13 de Abril de 2010 às 17:39
escolhes acreditar.

mj
De diariodeumfrustrado a 13 de Abril de 2010 às 21:52
É das poucas coisas em que ainda acredito.
De Anónimo a 14 de Abril de 2010 às 14:47
eu só acredito no que vejo. e só vejo verdadeiro egoísmo.

mj
De diariodeumfrustrado a 14 de Abril de 2010 às 20:08
Ainda existem excepções à regra, sabias? Nem todos são egoístas. Existe amor verdadeiro. Acredita no que te digo.

Comentar post

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds