Quarta-feira, 14 de Abril de 2010

403

A desilusão. Como lidar com ela? Hoje tive outra. Daquelas grandes. Não, não envolveu pessoas, nem relações pessoais. É curioso que sempre que me acho preparado para todas e "calejado" pelos desgostos provocados pelas desilusões, rapidamente concluo que afinal não estava preparado. Nunca estamos. Não interessa o nosso grau de experiência em lidar com a adversidade, estamos sempre disponíveis para encaixar mais uma e para reagir mal. É como se julgássemos que já batemos no fundo e já atingimos o limite máximo de facadas nas costas. É sempre possível ir um pouco mais fundo e descobrir mais um espaço no nosso coração pronto a ser trespassado por uma faca que julgamos desta vez ser aquela que nos deixará imunes a tudo na vida. Não deixa. É possível afundar-nos ainda mais.

Contudo, vou notando algumas diferenças à medida que a experiência aumenta. Já não tenho como reacção zangar-me com o mundo, ter vontade de partir o que aparecer à frente (embora sem nunca o ter realmente feito), desistir de tudo, gritar de raiva, etc. Agora limito-me a embrulhá-las em slow motion e a sentir lentamente o vazio a tomar conta de mim. Não sei se sofro. Sei que fico sem reacção, coço a cabeça, olho para o vazio, penso no nada, suspiro profundamente e, finalmente, deixo o corpo desfalecer, ficando estático. São minutos perturbantes.

Volto a mim. Tento encontrar um nexo causal que justifique que o facto X, tenha acontecido no momento Y, comigo (Z). Forço várias soluções. Faço questão de encontrar o tal nexo causal e fico pior por não encontrar nenhum motivo. Penso porque raio certas coisas acontecem comigo. Penso na minha reacção à desilusão. Penso nos que me rodeiam e pelo menos aparentam serem felizes. Penso nos que têm tudo para serem felizes. Julgo que as minhas concluões são influenciadas pela dita desilusão.

Faço uma introspecção rápida por toda a minha vida. A minha Páscoa e o meu Natal são celebrados neste tipo de situações, acontecimentos que me forçam a dedicar-me à meditação sobre tudo o que tenho feito. Penso como seria se tudo fosse diferente. Penso como seria se muita coisa fosse diferente. Penso como seria se algumas coisas fossem diferentes. Penso como seria se apenas uma coisa fosse diferente. Deve haver um motivo para serem como são. Se calhar não há motivo nenhum e isto sou eu a complicar aquilo que é simples.

Penso se vale a pena continuar a lutar. Penso porque devo lutar se não sei bem pelo quê. Penso sobre o que faço aqui. Penso como seria a vida dos que me rodeiam se eu não estivesse presente. Penso como seria a vida dos que me rodeiam se eu nunca tivesse existido. Penso como será a vida deles se eu continuar. Tento vislumbrar os meus limites para suportar desgostos e desilusões.

Acabo no meu blogue, com os dedos deitados sobre o teclado, a olhar para o vazio, a suspirar profundamente, a pensar no nada e a preparar-me para clicar em "publicar" antes de me deitar e deixar que o meu corpo desfaleça entre pensamentos vazios e inércias em resultado da desilusão de hoje. O sono tem isto de bom, ajuda a enterrar um dia passado bem como todos os seus dissabores. Não quero saber como será amanhã, mas sentirei que vou estar mais que preparado para enfrentar qualquer desilusão que possa ter até descobrir que afinal... não estava.

publicado por diariodeumfrustrado às 21:39
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Anónimo a 15 de Abril de 2010 às 18:19
cada vez mais cínico.

tal como eu.

e não te surpreende que pessoas que nunca significaram nada para ti ainda te sigam e permaneçam quando tanto se altera e te foge ao controlo na vida?

mj
De diariodeumfrustrado a 15 de Abril de 2010 às 19:00
Surpreender não é bem o termo que eu escolhia, é mais o "fazer confusão". Mas, sim, tens toda a razão na pergunta que fazes. Porque é que isso acontece? Não entendo... O que achas?
De Anónimo a 19 de Abril de 2010 às 16:35
tb não sei. já deixei de me questionar.
talvez tenha acreditado.

mj
De diariodeumfrustrado a 19 de Abril de 2010 às 19:31
Porque deixaste de acreditar?
De Anónimo a 20 de Abril de 2010 às 17:22
porque tu nunca acreditaste.

mj
De diariodeumfrustrado a 20 de Abril de 2010 às 18:48
As "fugas" sempre foram estranhas do meu ponto de vista, que me habituei a esse tipo de situações pelos piores motivos e agora não consigo distinguir entre a sinceridade e a maldade.

Comentar post

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds