Terça-feira, 20 de Abril de 2010

405

Nunca tive um verdadeiro modelo masculino para me inspirar, nem me lembro de em ocasião alguma ver os meus pais juntos a terem uma manifestação de carinho que fosse. Habituei-me a situações negativas e más experiências ao longo da vida nas relações interpessoais e hoje tenho sérias dificuldades em desligar-me e pensar e agir com isenção.

Hoje vi aquilo a que se chamava, quando eu era criança, de "bicho de contas e de histórias". O coitado estava virado ao contrário e fazia um esforço sobrenatural para se colocar como deve ser. Sem sucesso. Aproximei-me dele e tentei virá-lo. Imediatamente encolheu-se, fechando-se, como que reagindo por instinto a um possível predador. Fiquei a olhar para ele, esperei que voltasse ao normal e continuou a longa batalha de se tentar virar. Insisti mais uma vez, virei-o e o bicho abandonou a sua posse defensiva e seguiu o seu caminho. No outro dia vi uma joaninha, insecto que não via há muitos, muitos anos. Fiquei a olhar para ela como se fosse a primeira vez. Matei saudades das joaninhas e não consegui esconder a emoção que senti perante um acontecimento tão banal.

Raramente sei o que fazer nas relações com as pessoas e tendo a agir por sobrevivência e instinto a toda e qualquer potencial ameaça que atente contra mim. Não sou mau, não sou abominável, não tenho mau carácter. Apenas não sei o que fazer e o primeiro impulso leva-me a encolher-me e, se acreditar que corro o risco de me magoar, mostro os meus espigões, qual ouriço-caixeiro (sim, também vi um aqui há algumas semanas e logo tentei travar amizade com ele).

Toda esta experiência de vida faz com que hoje viva em constante dualismo comigo mesmo. Qualquer aproximação ou qualquer acto ao qual não tenha frieza de ânimo para processar e encontrar a reacção adequada e entro em curto-circuito. Seguidamente, a minha consciência e a minha racionalidade dividem-se em duas, transitando para o "estado filme policial americano": primeiro, surge o bad cop (ou "mau Rodrigo") que me diz constantemente ao ouvido "vê o que a pessoa te fez", "já te fizeram isto antes e sabes como acabou", "achas que o que esta pessoa te fez é inocente?", "achas mesmo que estão aqui boas intenções?", etc. Depois sobe a parada "devias cortar imediatamente com isto", "devias reagir à altura e acabar com o mal pela raiz", "desaparece daqui", "desaparece de vez", "só te sabem fazer disto", "morre, que não serves para nada e não fazes cá falta nenhuma"! Não é fácil lidar com estas situações quando não as esperamos e não sabemos lidar com elas! Porém, ficamos sem reacção e deixamo-nos levar. Pelo menos falo por mim.

Posteriormente, sem que nada o faça prever, nem aconteça nada nesse sentido, e por vezes apenas algum tempo depois de tomar uma atitude precipitada, entra em cena o good cop (ou "bom Rodrigo") para me chamar à razão e dizer "o que é que foste fazer?", "já pensaste que as coisas podem não ser como viste inicialmente?", "tem calma", "esta pessoa tem muitas virtudes", "conversa com a pessoa e tenta entendê-la".

Por norma, acalmo-me nesta situação.

Depois fico furioso comigo mesmo, pelos erros cometidos e volto a entrar em paranóia. Às vezes estou bem e, sem que eu o controle, faço uma introspecção à minha vida, fico em branco e desespero. Regresso ao dualismo. Não sei como agir. Não sei em que me inspirar. Não sei em que me basear. Como aprender a viver? É tão fácil dizer "descontrai e deixa-te levar", mas isto são palavras de pessoas com um crescimento completamente diferente do meu. Sinto-me como o Mogli, como se tivesse perdido grande parte da minha vida a ver agressões, mentiras, enganos e ausência de amor, mas tenho consciência que tenho um bom fundo e muito para dar, mas... não sei como projectar tudo isso cá para fora e ser uma aposta válida, em vez do "homem-lobo" que se protege e defende do saudável e abre o peito a tudo o que é negativo.

publicado por diariodeumfrustrado às 22:18
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 21 de Abril de 2010 às 18:18
soa-me tudo tão familiar.

mj
De diariodeumfrustrado a 21 de Abril de 2010 às 19:18
maila-me
De Isa_ a 30 de Abril de 2010 às 23:09
... oi!

tiraste essa do bicho virado ao contrario de um livro do franz kafka, n? :)
De diariodeumfrustrado a 1 de Maio de 2010 às 09:09
Kafka fala do bicho virado ao contrário?! Desconhecia... Já tentei ler Kafka há muito tempo, mas não gostei. Quando estudava ainda li "O Processo", mas a escrita dele não me convenceu e não li mais nada. Em que livro é que ele fala do bicho? Fiquei curioso...
Não sei a zona onde resides/trabalhas, mas onde me encontro é bastante comum ver estes bichos por aqui e, frequentemente, virados ao contrário. Não sei se ficam assim por caírem de algum sítio, ou se é natural, mas vejo-os muitas vezes de barriga para o ar a travarem uma batalha com o seu corpo para se virarem...
De Anónimo a 22 de Maio de 2010 às 10:59
A metamorfose.

mj

mas não é virado ao contrário, é antes o ser humano virado do avesso

Comentar post

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds