Sábado, 31 de Maio de 2008

213

"Sacar uma striper". Este é o velho sonho masculino: "sacar uma striper". Ir a um strip club, escolher uma striper e conseguir seduzi-la. Se partirmos do princípio que vamos a um strip club como deve ser, isto é algo extremamente difícil de acontecer, pela qualidade física das meninas, pela experiência que as mesmas têm na área e por terem demasiada procura. Sempre foi algo que cedo tirei da cabeça, pelos motivos referidos. No entanto, fiz anos recentemente. E no nosso grupo de amigos, onde somos cerca de oito, temos um costume: sempre que algum faz anos, pagamos um privado ao aniversariante, e em tempos difíceis um table dance, só para nos podermos rir um pouco da "vítima". Foi a minha vez, para não variar. Fiz questão que fosse a mesma striper das outras vezes, porque era uma verdadeira bomba e porque sempre gostei do seu ar natural que nada tinha a ver com o ar de frete com que muitas apareciam a abordar os clientes!

Fui ao meu privado, pago por eles, a striper já me conhecia de outros aniversários, e eis que quando estava perto do terminar aquilo para que tinha sido paga (e foi só mesmo para tirar a roupa, porque não pago, nem pagarei, para ter sexo), diz-me baixinho ao ouvido:

- Onde está o teu telemóvel?

Respondi, surpreendido pela pergunta, com um:

- Como?!

- Onde está o teu telemóvel? Está aí contigo? - ripostou ela.

- Sim... está... porquê?

- Pega nele, então.

Tirei o telemóvel e ela diz-me de imediato:

- Anota aí... 9********. - deu-me um número de telemóvel.

- Este número é teu? - Perguntei eu.

- É. Nós aqui dentro ficamos por aqui, mas lá fora podemos ir mais além.

- O que é que é ir mais além para ti? É pagar-te?

- Liga-me que nós combinamos qualquer coisa fora daqui.

- Sim, ok, mas... se é para te pagar alguma coisa, digo-te já que não pago por sexo e aqui os privados e table dances do nosso grupo são mesmo pela diversão da coisa. Não estou desesperado à procura de sexo!

- Não percebeste. Não te vou pedir dinheiro. Já te conheço, já me considero tua amiga e do grupo também, e queria ir "mais além contigo".

- ?! - fiquei sem palavras - Ok, eu ligo-te.

- Saio daqui às 6h, todos os dias. Liga-me quando quiseres.

Ficou combinado assim e, dois dias depois, liguei-lhe. Ficou combinado ir ter a casa dela. Quando saí do trabalho fui ter com ela. Pudemos estar algumas horas juntos, antes dela entrar ao serviço. Envolvemo-nos e, quase em uníssono, curiosamente, dissemos: "Adorei!". Não cometi o erro de no dia seguinte lhe mandar a mensagem a agradecer pelo final de tarde/noite anterior, mas temos trocado algumas mensagens. O meu grupo de amigos de nada sabe, porque privilegio a discrição e porque com o trabalho que ela tem seria complicado expô-la a terceiros. Não é prostituta, é apenas striper.

Nunca pensei em "sacar uma striper", e se calhar por causa disso é que aconteceu o que aconteceu. Se andasse aqui a fazer um esforço nesse sentido, provavelmente nunca iria ter nada. Sou solteiro, não tenho ninguém, e posso dar-me a este luxo. Se fosse comprometido isto jamais teria acontecido. Enjoy the moment!

publicado por diariodeumfrustrado às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

212

Cheguei a falar aqui da "tipa do comboio". Acabámos por nos conhecer, porque ela meteu conversa comigo. Trocámos números, conversámos e ainda fomos tomar três cafés. Mas logo ao fim do segundo café, sem que alguma vez tivesse havido o que quer que fosse, eis que ela decide mandar-me sms como "então, já não me mandas mensagens? Perdeste o interesse?". Assim, a frio! Eu respondia sempre que não tinha nada a ver com interesse, mas com o facto de ter mais coisas para fazer.

Insistiu durante vários dias, e, realmente, acabei por começar a perder o interesse, pois uma tipa que ainda pouco mais sabia do que o nome, já me mandava várias (para não dizer quase dezenas) mensagens por dia a questionar-me porque é que não respondi à mensagem dela de há cinco minutos atrás, ou às outras de há meia-hora.

Fui tomar mais um café com ela e pedi-lhe que se acalmasse. Disse que tem que ter calma porque eu não só não era namorado dela, como tinha vindo de um relacionamento há pouco tempo e queria levar as coisas com calma, caso tivesse que acontecer alguma coisa. Ainda mal a conhecia, e ela já quase me tratava como se fosse namorado. Não queria isso. Queria uma amiga e quiçá no futuro alguma coisa se desenvolvesse. Ela reconheceu que, de facto, tinha estado a mandar muitas mensagens e que não o devia fazer assim, etc. O que é certo é que logo meia-hora depois de terminar este nosso café, voltou à carga "então? Em silêncio?". Ninguém merece! Nem lhe respondi. No dia seguinte não pude ir no mesmo comboio que ela porque precisei (mesmo) de ir para o trabalho mais cedo. Logo começaram as mensagens "pois... se tivesses interesse vinhas no mesmo comboio. Agora tudo faz sentido...". Perdi a paciência e disse "amiga, se é para continuares com estas coisas e com estas teorias da conspiração, não vale a pena. Não preciso disso, ok?". Eis que recebo a resposta: "Agora percebi tudo! Perdeste mesmo o interesse em mim. Mais vale não nos vermos ou falarmos mais. Ficamos por aqui. Fica bem. Adeus". Palavras para quê? No final de tudo, acabei por me livrar de um peso. Se a conhecê-la pouco foi como foi, como seria se tivesse tido, de facto, alguma ligação afectiva a ela? Não quis imaginar, e, para que ela ficasse a sentir que afinal foi ela que me rejeitou, e não me dissesse mais nada, saindo pela porta da frente, ainda lhe disse "não percebo o porquê de fazeres isso, mas tudo bem. Fica bem". Funcionou. Não disse mais nada, saiu por cima, e eu saí aliviado. Este início de amizade estava a ser um grande tormento.

publicado por diariodeumfrustrado às 10:14
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sábado, 17 de Maio de 2008

211

Ao fim de algum tempo, meses mesmo, sem contactar com uma pessoa com a qual estive em vias de ter uma relação mais séria do que aquela que tivemos, voltei a contactar com essa pessoa. Na altura houve alguns desentendimentos de parte a parte, que comprometeram uma eventual continuação. Porém, não ficaram mágoas entre as partes. Apenas optámos por seguir cada um a sua vida. Foi consensual.

Entrei em contacto com ela no sentido de saber se poderíamos voltar a comunicar-nos, ficando pelo menos amigos. Conversámos, entendemo-nos e voltámos a comunicar-nos com regularidade. De certa forma acertámos os mal entendidos que ficaram para trás e que nos causaram problemas na altura. Após algum tempo de contacto, voltámos a ver que possivelmente havia por aqui alguma espécie de atracção que podia atrapalhar uma possível amizade. Optámos por novo afastamento há cerca de 15 dias, para não complicarmos tudo novamente.

Eu sabia que ela tinha realizado uma viagem à América Latina e temos um gosto em comum: gostamos de estatuetas dos locais por onde passamos ou por onde alguém passa. Tenho aqui algumas de alguns sítios onde já estive e de sítios onde pessoas já estiveram. Já havia trazido algumas para ela de sítios onde já estive. Ela decidiu enviar-me para casa algo que saberia que eu ia gostar: uma estatueta de um sítio por onde ela passou na sua viagem. Contactei-a para lhe agradecer pelo gesto e eis que ela decide dar-me conta de estar a "repensar a vida dela" para saber o que realmente quer. Quis saber a minha opinião e avisou que não queria colocar-me expectativas. A minha resposta foi rápida e simples:

- Não tenho expectativas sobre nada. Cada um decidiu seguir a sua vida, por entender ser a melhor opção. Se algum dia um dos dois achar que é possível pelo menos desenvolver uma amizade e depois as coisas acontecerem naturalmente, tudo bem. Mas se continuarmos a achar que a melhor opção passa pelo afastamento, tudo bem na mesma. Tu tratas da tua vida e eu trato da minha. Se algum dia o destino decidir colocar-nos no caminho um do outro, seja! Mas não vou começar a fazer filmes e a desenvolver uma obsessão por alguém que neste momento não faz parte da minha vida. O segredo é deixar acontecer o que tiver que acontecer. Não há pressas, nem precipitações.

Ela não me disse mais nada. Aguardam-se novidades, ou daí até não. O futuro o dirá.

publicado por diariodeumfrustrado às 12:53
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

210

O início do Verão tem destas coisas: é muito bom, mas também pode ser muito foleiro. Que o digam todas aquelas pessoas que me farto de ver por aí que mesmo com dias inteiros de chuva e trovoada insistem em fazer-se passear com a bela calça branca. E viva o "bom gosto" e a "moda"!

 

P.S.: De referir que, muitas vezes, às calças brancas de Verão em tempo de chuva ainda se juntam as cuecas pretas por baixo que também são visíveis muitas vezes.

publicado por diariodeumfrustrado às 06:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

209

Estou totalmente comprometido com o trabalho. No entanto, como local de trabalho que se preze, tem sempre indivíduos que procuram afogar as mágoas e frustrações nos outros. Até parece história, mas tenho-me deparado com três personagens com características tão diferentes, quanto iguais ao mesmo tempo. Um é homem, de avançada idade e bastante limitado. Sente-se bem em lançar boatos e em atemorizar as pessoas com fofoquices que não interessam a ninguém, mas sente-se bem em lançar o caos. O outro não é tão avançado em idade, mas sente-se bem se se sentir constantemente superior aos outros. Gosta de saber que controla algumas situações. A outra personagem é mulher, e gosta de "torturar" as pessoas. Além de tratar mal as pessoas e de ser extremamente mal educada, gosta de ter as atenções centradas em si e não há como lhe fugir nisso.

Ainda hoje interroguei um colega sobre o porquê das pessoas saberem que estão erradas, saberem que prejudicam os outros, que lhes fazem mal, mas mesmo assim insistirem, sem ganhar nada com isso, nem sequer o respeito. Ele deu-me uma resposta simples e certeira:

- Olha, o primeiro e o segundo têm todas as características de serem pessoas habituadas a viver na sombra dos outros, e de ninguém nunca ter gostado deles, sendo verdadeiros frustrados da vida. Então, fazem o que fazem para se sentirem no controlo de alguma coisa, para se sentirem os seres especiais que sempre quiseram ser e nunca foram. E acho que todos sabemos pelo que já ouvimos deles, que é precisamente isso que se passa. A problema da outra resume-se a duas coisas: falta de tempo e falta de "peso masculino".

publicado por diariodeumfrustrado às 21:22
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 10 de Maio de 2008

208

Percebemos que estamos a ficar velhos quando recebemos cada vez menos telefonemas de pessoas no nosso aniversário, e quando as antigas e gloriosas "festas de anos" começam a transformar-se em "jantares" e "cafés" de aniversário.

publicado por diariodeumfrustrado às 14:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

207

Ainda sobre princípios e regras que tento cumprir ou evitar, aqui está uma que reúne a minha preferência:
- Prefiro, de longe, ter uma superior hierárquica mulher. Independentemente de ser sensual ou não, entendo-me perfeitamente bem com uma superior hierárquica mulher. Não tenho razões de queixa de homens superiores hierárquicos, mas prefiro muito mais uma mulher. Não, não tem nada a ver com um possível fetiche associado a uma mulher acima de mim, etc. Acho que as mulheres, na liderança, são mais simplistas, são mais ouvintes, e até mais flexíveis. Não vou discutir uma eventual questão de competência, porque isso depende de pessoa para pessoa e não de género para género.
Aqui fica, então, a minha confidência: prefiro ter uma mulher como superior hierárquica a ter um homem.
publicado por diariodeumfrustrado às 21:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

206

Tenho alguns princípios relativamente a trabalho que nem sempre são possíveis de evitar, mas que na medida do possível evito:
- Nunca trabalhar com uma mulher razoavelmente atraente e que saiba que o é. É algo com o qual nenhum homem pode competir. A tipa "boazona" que faz os tipos todos olharem para ela pode ter a sua graça quando a vemos passar, mas quando se trata de nos passar por cima, ganha-nos 10-0. Estamos sempre entalados com ela. Em primeiro lugar, vai tentar lançar o seu charme sobre nós para conseguir os seus intentos. Temos duas opções: ou colaboramos, e ela continua sem nos dar bola, sabe que pode usar e abusar de nós que vamos sempre fazer-lhe a vontade sem nunca ganhar nada com isso a não ser ver o seu corpo a dois metros do nosso sem nunca poder usufruir dele, ou então podemos resistir-lhe aos encantos e dar-lhe um não. Não sei qual deles é pior. Na primeira situação somos torturados porque pensamos que um dia vamos ter hipóteses do que quer que seja com ela, mas a verdade é que lá no fundo sabemos que isso nunca vai ser possível, a não ser que tenhamos algo para lhe dar. Quando não precisar mais de nós, não hesitará em despachar-nos como se fôssemos um daqueles animais de estimação que no verão são despachados pelas famílias que precisam de ir 15 dias para o Algarve e já não estão para aturar aquele que já foi "a bolinha de pêlo fofinha e doce". Na segunda situação ela não só nunca vai deixar de ser nossa inimiga, como ainda se vai voltar para outro tipo que acabará por cair na armadilha a que nós nos recusámos a cair (sim, há sempre um que cai), e que de preferência será alguém acima de nós. A partir daí, não só consegue o que quer, como ainda acabará por promover, ao bom jeito feminino, as subtis campanhas contra todos aqueles que recusaram ser os seus capachos. O chefe, quando é homem, entre ela e outro homem, acabará sempre optar por ela e mesmo que sejamos nós a pôr o pão na mesa dele, acabará por escolhê-la alegando na altura que ela terá mais potencial do que nós, que se esforça, etc, e nós não. Entre o melhor amigo, ou o irmão de alguém importante para ele, etc, e a tipa "boazona", ele terá que optar pelos dois, e certamente descorrerá uma solução tendo em vista este fim. O que é certo é que, de uma forma ou de outra, estamos sempre desgraçados. Se a nossa superior for mulher, há alguma esperança, mas a "boazona" vai sempre procurar uma forma, ou um tipo, para conseguir chegar até ela.
- Nunca trabalhar num local só com mulheres. É mau, muito mau. Um local de trabalho onde só existem mulheres é insuportável. A ideia até pode agradar a todos aqueles que gostam de ter variedade e muito por onde escolher, mas acaba por se tornar complicado. Começa pelas conversas. Elas falam de novelas, dos namorados, dos maridos, das roupas, entre outras coisas. Nós queremos alguém para falar de futebol, e elas falam-nos no Miguel Veloso. Quanto muito sabem o clube onde joga, mas se lhes perguntamos a posição, elas respondem: "na minha cama, please!". Se falamos de carros lá vem a conversa do costume que abafa qualquer conversa: "não percebo nada de carros. Só sei que tenho um cinza prateado e sei estacioná-lo e levá-lo para onde quero". De vez em quando surge uma que sabe o que é um pneu e como mudá-lo, mas nunca o faz. Este fenómeno acontece com as mais feministas que, no entanto, acabam a dizer que as mulheres são iguais aos homens e não lhes devem nada, mas um pouco de cavalheirismo não fica mal a ninguém.
Depois temos o ambiente de trabalho. As mulheres competem entre si. Um local de trabalho só com mulheres é sinónimo de fofoquice, competição e sacanice na certa. Não perdem uma oportunidade para sorrirem umas para as outras enquanto lhes dão uma grande facada nas costas. No meio disto tudo, com sorte, acaba por não sobrar para nós, mas se formos apanhados no meio de fogo cruzado, acontece aos melhores. Têm tendência para disputar os poucos homens que trabalham com elas, não a nível afectivo, mas mesmo em termos de amizade e companhia. Corremos um enorme risco de sermos disputados por diferentes facções. Sim, as mulheres funcionam em grupo como as tribos: por grupos. Degladiam-se uns com os outros, e ganha o mais forte. O ambiente tende a ser horrível e a única possibilidade de nos darmos bem num local de trabalho só de mulheres é quando elas têm como única ambição dedicarem-se ao que fazem pelo puro gosto na actividade, sem ter como ambições subir, agradar, ou dominar o grupo local.
- Nunca "andar" com uma colega de trabalho. É um erro, sobretudo por dois motivos: 1- Se alguma coisa correr mal e as coisas terminarem de forma infeliz para algum dos dois, o ambiente nunca mais será o mesmo, sobretudo se tiverem que se cruzar em trabalho ou no local; 2- Até podemos andar com ela às escondidas, mas se por algum motivo se descobrir, pode queimar por completo todas as chances de algum dia sair com uma das restantes colegas. E quem diz as colegas diz as irmãs e as amigas das colegas, as irmãs e as colegas das irmãs e das amigas das colegas, etc. O risco de ficarmos queimados é elevado.
Estes são os meus princípios e regras a seguir. Porém, como toda a regra pode ter uma excepção, nunca digo "nunca!".
publicado por diariodeumfrustrado às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds