Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

387

Ontem um amigo meu procurou-me via MSN para desabafar. Não há porque censurar o meio. MSN, telemóvel, pessoalmente, por carta, cada um lá sabe o meio em que se sente mais confortável para o fazer. Eu, por exemplo, recorro muitas vezes a este canto e não deixa de ser tão legítimo como outro qualquer.

Depois de cerca de uma hora a ouvi-lo, a tentar perceber o que o afligia e a tentar dar alguns conselhos, eis que se não consegui pôr o rapaz mais feliz, pelo menos fi-lo sentir-se mais aliviado e a ver as coisas de forma diferente.

Ultrapassada esta fase, eis que o abordo eu sobre os meus problemas e eis que recebo silêncio e "pois...". A situação chegou a tal ponto que os vários "pois..." eram intervalados por espaços longos de silêncio. Face a esta situação, desarmei a tenda, arrumei a trouxa e retirei-me.

Que comentários há a fazer perante uma situação destas?

publicado por diariodeumfrustrado às 20:21
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Domingo, 28 de Junho de 2009

386

Alguém sabe o quão dura é a solidão? Alguém sabe o que custa não ter ninguém para partilhar um momento (bom ou mau) quando supostamente devíamos estar no auge da vida?

publicado por diariodeumfrustrado às 23:23
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Sábado, 27 de Junho de 2009

385

Voltei.

 

Pensei ter debelado os meus males interiores e os golpes que me inflijo constantemente. Não sei contornar o problema por um simples motivo: sinto-me a perder cada vez mais o bom senso. O pouco que tinha ia perdendo aos poucos mas o processo tem-se acelerado significativamente.

 

Para ser muito honesto, não tenho noção do bem e do mal ou do que é certo e do que é errado Não sei distinguir o que é sério da brincadeira ou o amor do ódio. Não sei distinguir o possível do impossível, o que por vezes me leva a não tomar atitudes banais com medo de falhar ou a tentar atingir o inatingível, valendo-me grandes desilusões, mas também algumas surpresas.

 

A baralhação é tanta que por vezes sinto-me como se habitasse uma máquina, à qual chamamos corpo, e sinto que o processador central está prestes a entrar em colapso, chegando mesmo a sentir náuseas e vontade de desmaiar. O meu sistema central processa milhares de megabytes de informação à velocidade da luz e nunca emite conclusões.

 

Perdi o brilho nos olhos e a vontade de sorrir. Sorrio por favor porque só tenho duas faces: a de muito sério ou a de riso. Como com a primeira as pessoas me acusam de ser antipático e "militar", prefiro forçar a última, pois sempre dá um ar mais agradável aos outros. Mesmo assim, tendem a abusar sem que eu dê conta e quando penso que estou a ver abusos as pessoas são sinceras. Não sei distinguir situações ou realidades. Já não posso dizer que tenha bom senso.

 

Quando era pequeno tinham a mania de me corrigir por tudo e por nada. E a correcção por vezes implicava agressão desnecessária. Por vezes perguntava porquê e raramente escutava uma resposta do outro lado. Quando vinha era um duro "porque sim" ou "porque não". Nunca soube distinguir situações, mas houve uma altura em que julgava que aos poucos a situação estava a mudar de rumo. Foi só até concluir que "só sei que nada sei" e deixar a máquina entrar em pré-colapso na tentativa de se poder ajustar a valores e padrões que ainda hoje não consigo perceber. O Ser Humano baralha-me. A sociedade baralha-me. Desde que me conheço por gente...

 

Não tenho muito jeito para a cozinha e por isso andei meses a pedir à minha mãe para que me fizesse um prato que tinha ouvido falar diversas vezes e que me tinha suscitado a curiosidade. Após tanto tempo, insisti uma última vez e o resto da conversa foi:

- Tu não gostas disso... - disse a minha mãe.

- Nunca vou saber se não provar, mas aquilo tem bom aspecto.

- Não, tu não gostas disso...

 

Desisti. Esta história foi com comida, mas durante anos foi este o cenário para tudo desde criança: "tenho calor"/"mas está frio lá fora"; "a comida está a ferver"/"não está nada, está boa, come".

 

Estou em fase de pré-colapso, e sinto que a qualquer minuto vou dar curto-circuito. Não tenho noção da realidade e não sei comportar-me em sociedade...

publicado por diariodeumfrustrado às 12:44
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds