Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

398

No final de 2008 tive uma mudança nos meus hábitos, fruto de um tumor que teve uma pessoa que muito significa para mim. O problema parecia estar debelado, porém, no final de 2009 voltou e, desta vez, aparentemente invencível. De acordo com os médicos, tem apenas alguns meses entre nós. Recusamo-nos a aceitar esta decisão e... lutamos com tudo o que temos, sobretudo porque nada há a perder. Eu próprio faço questão que alguém que tanto deu tenha a morte digna que merece e não todo o sofrimento que esta situação diferente acarreta.

Tenho acompanhado de muito perto este drama sobretudo porque sou uma das pessoas em alerta 24h para poder socorrer e ajudar em tudo, caso seja necessário. Tem sido. O mais dramático que destaco e que mais confusão me faz, por nunca me ter imaginado a conviver com esta situação, é a ida às consultas e aos tratamentos. Cenas que julgava só serem possíveis em filme, como as comunicações do médico a avisar que é muito complicado, entre outras recomendações, o cheiro a éter ainda mais pesado pela carga que os temas oncológicos acrescentam ao típico "cheiro de hospital", a sensação de perda, o olhar para a paciente e não ter coragem de lhe dizer a verdade para manter algum ânimo e esperança (fundamentais para o combate), a conversa "quando eu morrer, isto é para ti", a resignação quando se sente que o corpo vacila, entre tantas outras coisas. Só convivendo com a situação para perceber que muitas vezes os filmes retratam a realidade de forma mais exacta do que aquela que pensamos.

Aliás, e por falar em filmes, estas situações são em tudo semelhantes às telenovelas portuguesas dos anos 80: a falta de à-vontade, o amadorismo (no meu caso de lidar com uma situação de um tumor, no dos actores a representação televisiva), a frieza e a insensibilidade e a falta de conteúdo para dar alguma fluidez ou dar alguma cor e vida a uma cena a preto e branco. No final fica a sensação de vazio e tristeza e o desejo de não ter passado por tal tortura.

Isto tem mexido comigo, ainda que inconscientemente, e só ontem dei por mim a pensar que, de facto, estou diferente: mais apagado, mais cinzento, mais sério, mais carregado, com menos vida. Eu, que me ria de tudo, que não levava nada a sério como forma de esquecer que existem problemas e dificuldades (que sempre tive!), de repente dou por mim enquadrado na realidade e não estou a saber lidar com ela.

No meio disto tudo vale-me o trabalho. Parece paradoxal, mas não é. Não há coisa melhor do que trabalhar quando enfrentamos momentos como este: no meu caso, mantenho-me concentrado no que faço e esqueço, durante várias horas, que sou Ser Humano, não sou invencível, tenho problemas, tristezas e corro o risco de perder alguém que me é muito querido. Digo "corro o risco" porque enquanto há vida há esperança e, enquanto o coração bater, por mais que me digam "é muito pouco provável", ainda existe 1% de possibilidades de uma surpresa acontecer!

publicado por diariodeumfrustrado às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

397

Não gosto do Natal. Sou frio (e não o lamento) ao afirmar que não há diferenças entre o Natal e a hipocrisia: tanto um como o outro são quando o homem quiser e ambos constituem valentes oportunidades para que o outro sobressaia.

O Natal é a fase do cinismo e consegue ser mais "faz de conta" que o Carnaval: subitamente todos se amam, todos sentem um je ne sais quoi que os leva a pensar que podem compensar o tempo perdido e/ou comprar o amor, o respeito e a consideração de todos à sua volta com doces, presentes e votos de sucesso.

O Natal é aquela altura em que me apetece desligar o telemóvel mas apenas não o faço porque isso seria considerar que ele me afecta de tal forma que tenho que me desligar do mundo por causa dele. Todos os anos a história repete-se: gente que está meses sem me falar, sem querer saber de mim, sem se importar com a minha vida ou até sem responder a uma mensagem que eu envio, subitamente muda nos últimos dias do Ano e, qual Grinch com medo de ser atemorizado pelos fantasmas do Natal, decidem mandar mensagens de felicidades e votos de sucesso, abraços e beijos.

Como o Natal e a hipocrisia se confundem, este ano recebi variadíssimas mensagens deste tipo de pessoas. Curiosamente, os que me são próximos e adoptam um comportamento diferente do que descrevi são aqueles que não têm necessidade de dar sinais de vida nessa altura porque já o fazem ao longo dos outros 364 dias.

Não respondi a nenhuma destas mensagens ou chamadas, porque entendi que tal seria entendido como uma validação e reconhecimento de palavras ôcas, sem qualquer sentimento honesto e sincero. Talvez se desmotivem de repetir o gesto para o ano. Poupam dinheiro desnecessário comigo. Não me vou enternecer com a atitude, nem tão-pouco recordar os bons tempos em que eramos próximos.

Dou presentes às pessoas que gosto, quando sinto que o devo fazer. Dou atenção, amor e importo-me com as pessoas sem olhar a dias específicos do calendário gregoriano.

Posso ser corrosivo, mas orgulho-me de não ser hipócrita, falso, desonesto ou cínico.

publicado por diariodeumfrustrado às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds