Sábado, 27 de Dezembro de 2008

327

A minha vida mudou radicalmente desde que aconteceu o que aconteceu com a minha avó. Nunca imaginei que mudasse assim tanto. Curiosa e felizmente, encontra-se a recuperar. Mas eu encontro-me a adoecer, não fisica, mas psiquicamente. Tenho a sensação que aquela família invencível e sã a quem nunca acontecia nada e estava sempre toda a gente de perfeita saúde, subitamente se desmoronou e revelou o quão é frágil. Ciente dessa fragilidade, situação nova na vida de alguém a quem sempre ensinaram que os homens não choram, que têm que ser fortes e que não sofrem em ocasião alguma, passei a sentir-me mais humano. Se calhar demasiado.

Desde que sucedeu ter conhecimento da situação da minha avó nunca mais fui o mesmo. Dou por mim dias inteiros a fazer pesquisas na net sobre cancros (todo o tipo). Dou por mim a encontrar algum sintoma semelhante a algo que eu sinta. Repentinamente deixaram de existir gripes, constipações, dores de estômago, ansiedades, nervosismos, etc. Tudo isto é coisa do passado. Agora, para mim, só existe o cancro. Sempre que sinto uma ligeira dor de garganta, julgo ter cancro da faringe, da laringe, da traqueia ou do pulmão. Sempre que sinto uma dor de cabeça, julgo ter um tumor cerebral. Sempre que a digestão é feita de uma forma difícil, julgo ter cancro do fígado, do pancreas, do estômago, dos intestinos. Pesquiso todos os sintomas possíveis e imaginários em busca de uma justificação para esta paranóia que de repente me passou a dominar. Tenho a sensação de querer justificar estes meus medos e receios e em vez de ficar feliz por alegadamente não ter nada, fico com a sensação que tenho algum cancro a desenvolver-se em estado inicial e ainda não foi detectado. Este é o sintoma de muita gente como eu: sempre que vamos a um médico, olhamo-lo de lado se nos diz "está tudo bem consigo, isso é só ansiedade", mas se nos diz "você tem 6 meses de vida porque o seu corpo tem x, y e z doença", então está tudo bem. É irónica e insólita esta situação, mas é verdade.

Penso imensas vezes que o que está a acontecer com a minha avó é um sinal divino como que me querendo chamar à atenção para o facto de ter que fazer exames para se descobrir alguma doença, vulgo cancro. Eu sei que é um pensamento demasiado egocêntrico da minha parte, julgar que alguma entidade divina (Deus, o Universo, ou alguma "Energia") sacrificou alguém para me dar um sinal a mim, como se fosse um género de "escolhido". A verdade é que penso isso e apesar de saber que não faz sentido nenhum nada disto que eu penso, menos sentido ainda faz ter noção disso e continuar a pensar. Sinto-me a enlouquecer.

Tenho vários exames para fazer, a meu próprio pedido. A minha médica já me disse que é bastante provável que se trate de ansiedade, mas acedeu ao meu pedido na mesma, dado que exames de rotina nunca fazem mal a ninguém. Já comecei a pensar que possivelmente aqueles exames não vão detectar rigorosamente nada, mas que isso se deve ao facto de poder ter alguma doença grave em estado inicial e não ser detectada. A continuar assim, sinto que vou passar a vida a fazer exames porque os últimos que fizer ainda não foram suficientes para me dar a resposta que por um lado pretendo afastar, mas por outro parece que é aquela que desejo no meu inconsciente.

Sinto que estou a tornar-me num género de hipocondríaco de trazer por casa, sem motivos aparentes para preocupação, com consciência disso, mas que insiste em pensar 24/7 em doenças todas elas graves. Já alterei alguns hábitos na minha vida pessoal, especialmente no tocante a alimentação: já não comia muitos fritos, agora cortei de vez; deixei de comer carnes vermelhas porque potenciam o risco de cancro do sistema digestivo; tenciono consultar uma nutricionista depois de fazer todos estes exames para me dar uma orientação alimentar que me permita ter uma vida o mais saudável possível; deixei de ver a minha série de televisão favorita (Anatomia de Grey) porque em vez de me concentrar no enredo da série, passei a identificar-me com praticamente todos os sintomas de todas as doenças que passavam na série o que me levava a ficar ainda mais ansioso; tenho tido nos últimos dias sérias dificuldades em visitar a minha avó no hospital porque sempre que lá vou encontro uma série de pessoas num estado que me faz pensar que um dia serei eu a estar ali; vou passar a frequentar algum desporto, algo que não faço há muito tempo; passei a deixar de atender o telemóvel e a enviar menos mensagens escritas e já só o atendo em alta-voz, porque li que as radiações do equipamento podem causar cancro das glândulas salivares, entre outros; etc.

No meio das alterações (muitas saudáveis) a que mais destaco é a tentativa de exercício mental que faço para esquecer tudo o que se está a passar: diversas vezes dou comigo a olhar para um espelho e a dizer "não tens doença nenhuma", "és saudável", "olha para ti: estás perfeito". Cada vez mais tenho a sensação de que estou a enlouquecer...

Tinha planos para passar a morar sozinho, mas começo a ter vontade de não sair desta casa porque me vou sentir bastante sozinho. Não tenho um único amigo que não esteja acompanhado. Das vezes em que posso estar com alguém de um dos dois grupos que tenho, ou é para ir a casas de diversão nocturna, ou então nunca podem porque estão sempre com as namoradas/mulheres. Dos dois grupos que tenho, quem quer que seja que eu convide para ir tomar um copo, jantar, ver um filme, dar uma volta, ver um jogo, ou qualquer outra coisa, nunca podem, porque estão sempre acompanhados, ou é muito caro, ou então é muito longe. Se convido alguém para fazer uma viagem comigo de 3 ou 4 dias, a preços bastante em conta, é sempre muito caro e nunca dá jeito. Curioso é que depois os veja a gastar o dobro ou o triplo em coisas para as namoradas/mulheres. Para certas situações, parece que são as únicas pessoas nas suas vidas e esquecem-se que têm amigos. Nunca ninguém pode nada e a verdade é que passo a vida sozinho ou a aproveitar migalhas de saídas em grupo com vários casais e eu ali sozinho, como de costume. Para quê sair de casa? Para me sentir mais sozinho ainda? Para me afundar mais ainda nos pensamentos que me cercam?

Acima de tudo tenho a perfeita noção que o meu verdadeiro cancro sou eu próprio e começo a estar cada vez mais próximo de me destruir. Tenho deixado de atender alguns telefonemas também porque estou constantemente ansioso e perturbado e começo a não apreciar as coisas boas que a vida tem para me dar e que sei que são muitas.

publicado por diariodeumfrustrado às 15:39
link do post | comentar | favorito
|
13 comentários:
De Inês ;) a 27 de Dezembro de 2008 às 16:31
Olá!
Que grande confusão vai nessa cabeça!
LOL eu tenho cancro, tenho mesmo, e não ando assim passada!
Não podess viver assim atormentado! Nem toda a gente tem doenças! E se tiver não é o fim do mundo!

Isso de viver com medo é muito mau!
Eu não sou exemplo para ninguem, mas sou bem mais nova que tu, vivo sozinha e tenho cancro e lido com isso tudo!
E sou feliz!

Porque inventar problema sque nao existem?!

Sabes como se sente a tua avó por ver os outros a sofrerem assim com a doença dela?
Muito mal acredita...
muito culpada...
E eu sei do que falo..

Olha as melhoras nisso!!

Se feliz!

beijinho
De diariodeumfrustrado a 27 de Dezembro de 2008 às 20:43
Sinceramente,

acho-te uma verdadeira heroína e um grande exemplo para todos. O cancro, para mim, é mais mortal e pior que a SIDA a quem ainda chamam a "epidemia do século". Não tenho, como é natural, palavras para te dar, mas espero que o teu testemunho me ajude a superar este momento pelo qual passo de pura "deficiência mental".

Muita gente sobrevive ao cancro. A grande maioria dos cancros não são mortais quando detectados atempadamente, mas o que me preocupa verdadeiramente é uma possível descoberta intempestiva ou um cancro incurável.

Muita força e todo o sucesso é o que te desejo. Sinto-me um verdadeiro atrasado mental por assistir ao teu testemunho e ainda me dar ao luxo de me encontrar assim, eu que ainda que me encontre como me descrevi, para todos os efeitos julgo estar de perfeita saúde. Espero que me ajude a ultrapassar isto.

beijinho
De Inês ;) a 28 de Dezembro de 2008 às 11:12
Até babei!! LOL
Não sou nenhuma heroina!
Não mereço isso tudo!
Sou uma miuda normalissima!
E quero que saibas, que, hoje em dia quase todos os cancros são detectados atempadamente!
Eu, que estou dentro do assunto e passo a vida no ipo, sei que o que não falta são casos de sucesso!
Morrem mais pessoas na estrada e por estupidez do que por cancro!
Olha, eu tenho mias medo da sida do que do cancro!
E deixa-me que te diga que se por ventura tiveres a infelicidade de ter de enfrentar isso, vais ver que irão surgir forças de sitios que pensavas não existir!

E isto que vou dizer pode parecer parvo, mas, o cancro na minha vida não foi totalmente mau!
talvez vá morrer dele, mas não me importa!
Aprendi a viver!
Hoje vivo com muito menos medo, com mais vontade!
Dou valor á vida e ás pequenas coisas!

Eu sigo muito a tua história, e lamento que não des valor á vida como deve de ser!
Vivas constantemente em conflito interior!
Não haverá pior doença que desperdiçar a vida que temos?

Espero mesmo que ultrapasses isso tudo!
Não só a questão do cancro, mas também as questões interiores com que te debates!
Ganha confiança em ti!
Tu tens força! todos temos!

ah, já me esquecia, as melhoras para a tua avó!

(que testamento!! LOL)

Beijinho
De diariodeumfrustrado a 28 de Dezembro de 2008 às 12:01
"Não haverá pior doença que desperdiçar a vida que temos?" - É por isso que digo que, até ao momento, o meu cancro tenho sido eu próprio!

Muita força para ti! Se precisares de mim para alguma coisa, faz o favor de dispor.

Beijinho
De Zilda Cardoso a 27 de Dezembro de 2008 às 17:20

A morte não é nada inesperado: a todos nos vai acontecer, não escaparemos. Ficámos tristes porque vamos ter saudades das pessoas que amávamos e desaparecem da n/ vida. Mas a morte é uma muito esperada passagem para outro estado. E depois as pessoas foram programadas para viver uns tantos anos, o tempo suficiente para realizarem o que se espera que realizem. E podem estar cansadas de viver, viver pode ser uma maçada terrível! Felizmente a sua avó está bem e não vai querer saber de nada disto. É bom tratar bem dela, com todo o carinho, como ela merece.
De diariodeumfrustrado a 27 de Dezembro de 2008 às 20:47
Não quero ficar cá para semente. Mas também não quero ir embora tão novo. É isso que me aflige. Mas o que mais me aflige é saber que enquanto cá estou ando a perder tempo com coisas que me fazem deixar de viver e ter consciência disso. É ridículo, eu sei, mas é a verdade.
De SmS a 27 de Dezembro de 2008 às 20:09
Dou os parabéns à Nocas..é de tirar o chapéu...

Lê bem e retira algo de lá os menino...

~Kissinhossssss
De diariodeumfrustrado a 27 de Dezembro de 2008 às 20:45
Sim, vou retirar. Infelizmente tenho consciência que é ridícula a forma como me sinto e o que penso, mas por outro não consigo evitar. Cansa estar 24/7 a tentar combater estes pensamentos e sentimentos absurdos. Depois vejo este testemunho e ainda mais idiota me sinto. Não tenho conseguido controlar, mas tenho que conseguir mais tarde ou mais cedo, sob pena de me empatar durante muito tempo.

Beijinho
De Fada a 28 de Dezembro de 2008 às 12:30
" Bom dia Rodrigo ,

Queres que te diga uma coisa és um tolinho lol mas de verdade mesmo andas com a tua cabeça maluca as coisas não tem que ser assim , nos não podemos salvar ninguém do que lhes pode vir a acontecer como foi o caso da tua avo , não tens que ficar assim com esse peso na conciencia a vida é curta de mais para desperdiça-la dessa maneira tenta ver o lado bom das coisas , és saudavél não és ? Então jà não perdes nada é o que podemos ter de melhor nesta vida é a saude acredita que podermos andar , ver ...e por ai fora é muito bom mesmo , quantos não queriam um pouco de tudo isto e não tem , é no que eu penso quando ando mal , ( Quantos não devem estar pior que eu ) e dicidi a mim mesma viver a vida da memhor maneira mesmo se hà coisas que gostaria de ver melhor ( Sabes bem do que falo ) , mas a vida é assim mesmo por isso levanta essa cabeça , sai para arejar esse cérbo , vai dar uma volta de corrocel , lol , sabes aqueles cavalinhos que andam à volta lol sim esses mesmo a serio vai e depois diz-me como foi não tenhas medo de fazer uma figurinha sozinho nesses cavalinhos vais ver que te faz bem , fecha os olhos e vais sentir o vento em teu rosto , quando os abrires vais acordar deste teu momento menos bom que tens passado até agora , mas acorda com uma força enorme para viveres bem contigo mesmo , com todos os que te rodeiam como a tua avo da-lhe é muito carinho enquanto ela esta bem pertinho de ti , sabes ninguém de nos ficarà por cà , por isso quando a hora de cada um chegar nada a fazer mesmo , mas não é por isso que a vida não continua , so te posso desejar muita força mesmo so tu é que podes vence-la mais ninguém ...Va muita força , coragem à coisas tão boas para fazer nesta vida ...animo ouvi-o muito animo mesmo....


Que raios gostava de estar ai bem pertinho de ti , vais pagar por tudo isto um dia lol lol



...APARECE...

BEIJO COM SAUDADES
De Balzaquiana a 29 de Dezembro de 2008 às 21:31
O que sentes (e não sei a tua idade) é a chamada perenidade da vida.
Só quando ao nosso lado alguém adoece com gravidade nos damos conta de que isto é uma passagem e que morrer é o que todos temos de mais certo.
Acontece um dia a todos.
Quanto a essa busca de sinais de doença é característico dos que estão assustados. Acaba por passar.
Os teus amigos criaram outras prioridades na vida: passaram do 8 ao 80.
É sempre triste quando isso acontece sobretudo porque se arriscam a que quando as coisas derem para o torto (o mais certo nos tempos de correm) vão ficar desamparados, sem amigos.
Tudo na vida deve ser em doses certas e a amizade não tem que acabar só porque se tem uma paixão na nossa vida.
Tudo e todos têm espaço desde que assim se queira e mais vale preservar o que de importante se tem: a amizade.
Ânimo e vais ver que com o tempo tudo volta ao seu lugar.
Um abraço
De Marta a 30 de Dezembro de 2008 às 11:34
Que 2009 te traga só pensamentos bons

beijinhos
De de mim... a 31 de Dezembro de 2008 às 01:00
boa noite
sigo atentamente o teu espaço e hoje resolvi deixar uma palavrinhas.
Achamos que a nossa familia é intocavel, que nunca vai acontecer nada, acontece á dos outros , mas a nossa é intocavel.
Fez á pouco um ano que o meu pai faleceu....se me perguntarem se algum dia achava que isso ia acontecer, a minha resposta é não, nunca. Mas a vida tem um principio um meio e um fim e o fim dele chegou.Ao fim de 3 meses recebi a noticia que o meu irmão tinha cancro...mais uma luta e mais uma coisa que não tinha que acontecer a mim, mas sim aos outros.Lutou e venceu e teve forças para ao fim de outros 3 meses saber que a esposa tinha cancro também.....Luta , ainda não venceu, já fui o seu corpo mutilado...mas também não tinha que acontecer.
A vida ensina-nos a lutar, a ir contra tudo e todos , ensina-nos a viver.
Sei o que é estar e sentir sozinha......temos o mundo como conhecidos , mas estamos sozinhos no mundo.
Desejo-te as maiores felicidades e aprende a lutar, aprende a viver...só assim conseguimos ser nós próprios.
De guga a 31 de Dezembro de 2008 às 12:23
Que as realizações alcançadas este ano sejam apenas sementes plantadas, que serão colhidas com maior sucesso no ano vindouro.
Um bom ano de 2009, são os votos do...

G!

Comentar post

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds