Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

73

As noites são dolorosas. Aliás, tudo o que é tempo livre é doloroso para mim. As noites, e o longo período que começa na 6.ª feira à noite e termina na madrugada de domingo para segunda, são períodos dolorosos. Quem me leia ou ouça até deve pensar que eu trabalho, mas não trabalho. Apenas consigo arranjar forma de me entreter durante o dia.
Chego a casa no final de tarde e a partir daí começo a pensar em vários episódios e situações da minha vida, com particular relevância para os mais recentes, dado que foram os últimos a deixar mossa.
Penso, tento distrair-me e por vezes encontro-me na net a navegar em nada: apenas sites aos quais eu nem presto atenção, apenas tentando forçar a minha distracção. Quando dou conta, estou a pensar na mesma coisa novamente.
Dou comigo em baixo, sinto-me abatido, triste e com vontade de desistir de tudo. Volto a perguntar-me "como será se...?" e fico com muitas dúvidas. Formulo as perguntas do costume e que já coloquei num post anterior. Fico baralhado e penso como é possível não ter a certeza sobre o que acontece a seguir. Supostamente assino um contrato que me dá o direito de viver, mas não sei o que é que me acontece quando esse contrato expira, ou caso o tente cancelar antes do tempo "natural".
Penso em algumas situações da minha vida e faço um género de mistura de conclusões que já se viu por aqui muita gente a escrever: terei eu 80 anos? Não os tenho fisicamente, mas se calhar já vivi tudo o que tinha a viver. Curiosamente, o facto de não ter trabalho pode ser visto como um género de reforma indirecta que eu tenho para estes meus 80 anos interiores. Sinto-me com 80 anos por dentro, possivelmente de tudo o que já vivi. Sinto-me cansado de viver e as observações feitas aos "meus 80 anos" por diversas pessoas fazem efectivamente sentido: estou a pedir descanso. Olho à minha volta e não vejo nada. Tudo o que tive passou pelas minhas mãos e acabou. Tudo passou e neste momento não tenho nada. Tenho recordações e memórias. Tenho muitas recordações boas, felizmente. Também tenho outras menos boas. Mas, acima de tudo, trocava todas essas recordações por uma vivência nova, por uma descoberta, por uma novidade. Trocava todas as recordações do mundo por uma felicidade constante.
Tenho 80 anos e faço referência a eles no post número 73. Seria bonito falar disto no post 80, mas a vida não é sempre bonita, como tal, permitam-me não respeitar a beleza da literatura. Sou de emoções, mas não sou de as forçar. Deu-me para escrever no post 73 sobre os "meus 80 anos". Desculpem-me por isso.
Vou tentar dormir. Amanhã é outro dia e vou começá-lo bem, como de costume. É a fase da esperança. Sempre que me levanto, levanto-me crente num dia positivo, cheio de vida, e feliz. À medida que as horas passam, a esperança vai esmorecendo, ainda que tenha dias agradáveis. Amanhã por esta hora estarei da mesma forma em que estou hoje. Acontece-me todos os dias desde há anos e quantos mais episódios me vão sucedendo, mais pesado se torna o fardo.
No outro dia, um senhor com 85 anos pediu-me ajuda. Prontifiquei-me a ajudá-lo. Conversa puxa conversa e ele confessou-me a sua idade. Fiquei espantado e disse-lhe:
- O senhor tem 85 anos? Aparenta ter 50. Está muito jovem.
A resposta dele foi pronta:
- Por fora é tudo muito bonito, mas por dentro acredite que tenho 85 anos. Está tudo desfeito.
Fiquei com aquilo na cabeça e hoje deparo-me a falar do mesmo. Por fora e de nascença estou bem longe dos 40. Mas por dentro, acreditem, tenho mesmo os 80 anos que me dão.
publicado por diariodeumfrustrado às 00:49
link | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds