Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

323

"Fura-filas". Quem nunca se deparou com "fura-filas"? No dia-a-dia encontramo-los um pouco por todo o lado. Se pessoalmente este fenómeno já não vinga assim tanto, dados os confrontos que se poderão gerar, é no trânsito que mais os vemos sobretudo porque o automóvel serve de carapaça, qual escudo protector, em situações de maior conflito.

Estamos numa fila de trânsito enorme e lá vêm eles a fazer corta-mato por fora e a tentarem "meter-se" onde já é impossível furar mais. Quem tem raiva destes "fura-filas"? "Eu!", "Eu!", "Eu!", dirão todos vocês. Até eu próprio digo "Euuuuuuuu!!". Porém, sou um deles. Sim, sou, e tenho raiva de "fura-filas". Quando comecei a conduzir era anjinho e enfrentava as filas até ao fim. Insurgia-me contra os "fura-filas" que insistiam em fazer em 2 minutos o trajecto que eu fazia em 40. Face à inércia em poder combater o inimigo, decidi juntar-me a eles e passei a fazer corta mato de casa para o trabalho e do trabalho para casa. São os únicos. Sei que é demais e acreditem que sinto a consciência pesada por vezes, mas recuso-me ser o tolinho idealista que pensa que a sua atitude de entalar "fura-filas" os vai entalar e fazer com que se arrependam da sua conduta, mudar de atitude e voltarem a enfrentar a fila como todos os outros fazem. Errado! Primeiro: não posso mudar o mundo. Segundo: não posso mudar mentalidades. Terceiro: serei ingénuo se acreditar que por estar a fazer a minha parte já estarei a fazer muito (até porque todos os que assim pensam são pequenas gotas face ao portuguesismo e ao nosso sistema de funcionar que não tem fim à vista). Quarto: se eu os tapar, eles tentam dez metros à frente e alguém acaba por deixá-los entrar. Quinto: por mais que barafuste, buzine e esbraceje, o outro por vezes até é capaz de levantar a mão como que agradecendo/pedindo desculpas, mas a situação não muda e ele continuará a ter furado a fila e a estar à nossa frente. Sexto: se hoje conseguir fazer com que percam alguns segundos, amanhã não me cruzarei com eles e não os conseguirei dissuadir. Sétimo: porque me hei de aborrecer com isto se não há, mesmo, nada a fazer?

Como já disse: sou "fura-filas" pelos motivos atrás referidos. Mas permitam-me acrescentar uma especificidade nos únicos dois percursos que faço: o Código de Estrada ainda não proibe o "furamento" de filas, nem o sanciona, e muito menos o faz quando estão em causa linhas de separação de faixas que não sejam contínuas. Eu sei que a minha conduta é eticamente censurável, mas enquanto não a tiver em traços contínuos, a minha consciência não pesa. Além disso páro sempre em passadeiras e em sinais vermelhos e acho que compenso desta forma a minha falha.

publicado por diariodeumfrustrado às 20:02
link | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

437

436

435

434

433

432

431

430

429

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds