Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

438

Estou de volta e agora, também, no Facebook com uma nova capa:https://www.facebook.com/H20mem

publicado por diariodeumfrustrado às 09:09
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 8 de Agosto de 2013

436

Subitamente, vêm ao meu pensamento oportunidades que eu tive na vida e desperdicei. Oportunidades que não soube dar o devido valor e que hoje me fazem arrepender do que fiz ou do que podia ter feito. Não partilho do princípio orgulhoso que diz "só me arrependo do que nunca fiz". Não. Arrependo-me de muito do que fiz e de decisões erradas. Sou perito nelas. É o remate ao poste. Na batalha naval é água e o porta-aviões continua à deriva. E eu gasto as munições todas. Ainda tenho alguma? Só o futuro o dirá. E se assim acontecer espero desta vez saber dar o tiro certeiro.

publicado por diariodeumfrustrado às 00:08
link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Junho de 2013

435

A mulher portuguesa tem, regra geral, uma característica que a diferencia das restantes: acha-se demasiado boa para os homens. Se há coisa que mais me faz espécie é ver mulheres que se pavoneiam e andam na rua como se os homens fossem seres ignóbeis que, garantidamente, vão babar e olhar para elas que, segundo as próprias, estão acima de qualquer homem.

 

Mulheres, se um homem olhar para vocês, não o tomem como tarado ou como ser inferior. Mulheres, se um homem olhar para vocês, não virem a cara e levantem o nariz, de vaidade, nem ponham as trombas número 35 como se o homem estivesse a fazer-vos mal. Mulheres, não sejam convencidas, porque há muitas outras, sobretudo estrangeiras, que não precisam fazer essas figuras tristes para mostrarem que não o apreciam ou fingirem que não o apreciam.

 

Mulheres, se o homem olha para vocês, talvez ele possa simplesmente ter o hábito de olhar para as pessoas que estão perto dele. E, ainda que ele olhe para vocês como ar de quem gostou do que viu, a partir do momento em que vocês se fazem enjoadas e ficam trombudas e convencidas, ele vai perder todo o interesse em conhecer-vos melhor. Ele vai passar a olhar para vocês apenas como "a gaja que partia vezes sem conta e no fim oferece 5 euros pelo serviço prestado ou para apanhar o táxi de volta para casa".

 

Mulheres portuguesas, tsc tsc tsc...

publicado por diariodeumfrustrado às 20:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 10 de Junho de 2013

434

Apanhei assim de raspão a publicidade à Visão que traz a entrevista com o Pedro Caldeira. Diz ele que Deus o ajudou sempre e até o fez ganhar o totoloto. No outro dia li uma entrevista ao bruxo de Fafe, que ganhou vários prémios nestes jogos. Outros há que não precisam de correr e as oportunidades vêm ter com eles. Eu esmifro-me, dou tudo de mim e, na melhor das hipóteses, recebo migalhas. Tudo tem de ser conseguido a pulso por estes lados e mesmo assim recebo apenas uma amostra para não tomar muito o gosto.

 

Há quem diga que é o plano de Deus ou que Deus não nos deixa ter acesso a certas oportunidades por algum motivo específico. Há até uma "oração de um atleta americano" que reza assim:

 

Não Recebi nada do que pedi

Pedi a Deus para ser forte
a fim de executar projetos grandiosos,
E Ele me fez fraco
para conservar-me humilde.

Pedi a Deus que me desse saúde
para realizar grandes
empreendimentos, 
E Ele deu-me a doença,
para compreendê-Lo melhor.

Pedi a Deus a riqueza, para tudo possuir, 
E Ele deixou-me pobre para não ser egoísta.
Pedi a Deus poder,
para que os homens precisassem de mim,
E Ele deu-me humildade
para que d’Ele precisasse.

 

Ora, a esta oração eu digo: foda-se! Porque é que muitos não precisam de pedir saúde que a têm e muito menos riqueza se ela vem ter com eles? E porque é que quem pouco tem e pede, não recebe? Que raio de "benção" é pedir riqueza e acabar pobre? E que benção é querer ser forte e acabar fraco? Para "compreender" melhor? Quero lá saber da compreensão! Foda-se a compreensão e a humildade! Quero viver bem e ter qualidade de vida! Quero ter acesso às mesmas oportunidades que alguns privilegiados têm sem precisar de fazerem nada para isso! Não acredito que isto esteja relacionado com Deus! E se estiver, deixo de acreditar que existe sequer algo superior a mim, porque o que existe, a existir assim, é macabro e sádico! Que prazer pode alguém ter em ver os outros no sofrimento? Ai é o plano de Deus? Então que se foda o plano! Eu trato do meu plano, não preciso da ajuda de ninguém! Há gente que fuma, bebe, leva uma vida absurdamente perigosa e mantém-se de saúde intacta! Há gente que não precisa de estudar, nem de ter horários ou de se esforçar e imploram a essas pessoas para fazerem parte de 1001 projectos a troco de milhões. E eu, que dou no duro, ando aqui a sentir-me um falhado porque por mais que faça tenho muito pouco e espero oportunidades praticamente desde que nasci! Eu trabalhei para elas! Procurei-as! Mas elas fugiram!

 

"Um dia vais entender": eu não quero entender nada, eu quero viver!

 

"Tudo tem um fundamento": eu não quero justificações, eu quero retribuição por tudo o que fiz e faço!

 

Não quero este plano! E muito menos quero sentir-me um inútil que nunca será nada na vida porque "Deus sabe o que faz"!

publicado por diariodeumfrustrado às 22:25
link do post | comentar | favorito
Domingo, 9 de Junho de 2013

433

A ideia de criação deste meu diário não foi (de todo) a de criar um espaço onde as pessoas me mimem e digam palavras bonitas que me afaguem o ego ou preencham um qualquer vazio existente. A definição de frustrado deixo-a assente no subtítulo do diário. Por vezes sinto-me mal com tantas palavras agradáveis que me dizem por aqui ou com as tentativas que fazem de me tentar animar ou levar para um rumo mais positivo e colorido. E sinto-me mal porque não acredito nas velhas teorias de "pensamento positivo" ou "pensar nas coisas boas" ou ainda no "obrigar-me a fazer e a pensar positivo para mudar tudo à volta". Não acredito em nada disto, lamento. E não espero que os "empurrões" que me dão para tentar "arrebitar" continuem como forma de reunir atenções. Sou extrovertido, mas não gosto de concentrar atenções, nem mesmo para sentir que sou acarinhado. É por saber que não consigo corresponder aos pensamentos mais simplistas que por vezes me tentam animar por aqui que peço desculpa a quem o faz. E peço desculpa por não me conseguir sentir minimamente contagiado apesar do esforço que fazem. Desculpem.

 

Também não quero ser deitado para baixo ou desprezado, ninguém gosta. Mas acredito que me faz sentir melhor trocar ideias sobre coisas banais, da vida, sentimentos em comum, do que tentarem injectar-me teorias da positividade. Não funciona, acreditem. Imunizei-me, nem sei bem como. O que me faz sentir melhor são as coisas que descrevo.

publicado por diariodeumfrustrado às 12:56
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 8 de Junho de 2013

432

É incrível a quantidade de pessoas que eu conhecia ou que eram próximas de alguém que me é próximo e que faleceram recentemente. Os motivos são os mais diversos: cancro, problemas cardíacos, acidentes de viação. Há gente de todas as idades. Ver o drama das famílias é o que mais custa. Acredito que tenha sido por saber que a minha família ficaria neste estado lastimável que nunca consegui arranjar coragem suficiente para deitar fora a minha vida, por menos valiosa que seja para mim.

 

Ao mesmo tempo, penso sobre o valor da vida humana. Nas Américas não vale nada - nem mesmo nos EUA, onde os westerns ainda são o espelho de uma sociedade. Em África depende do grau de afinidade étnica que se tenha com a vítima. Na Ásia varia em função da importância social que se tenha. Na Europa o cenário já é mais diversificado, dependendo do impacto dado pelos média.

 

Mas quanto vale uma vida humana? Hoje temos uma agenda cheia de planos. Amanhã fica tudo por concretizar e hipotecamos a vida de terceiros. Acabaram-se os momentos de felicidade, mas também os desgostos. O que virá a seguir, ninguém sabe. Gostava de saber. Sou abelhudo. Gostava de saber se valia a pena despegar-me desta vida para a seguir ter uma vida melhor. Aliás, nem peço uma vida melhor. Pedia apenas descanso eterno.

 

Estas mortes fazem-me sempre pensar no quanto perco parte da minha vida com minudências: um stress no trânsito, uma buzinadela, uma ultrapassagem mal feita por um terceiro, um mau atendimento num local de serviço ao público, uma discussão com alguém próximo por causa de pouco ou nada, etc. Estas mortes fazem-me reflectir e ser mais paciente. No fundo, acho que me torno melhor pessoa quando estou consciente do valor da vida humana: nenhum e inavaliável, pois de um momento para o outro ela desaparece sem darmos por isso.

 

Só gostava de estar permanentemente consciente da necessidade de desvalorizar as miudezas da vida e ser mais agradável para todos os que me rodeiam directa ou indirectamente. Infelizmente, por vezes não demora 10 minutos e já passou a minha falsa reflexão. E volto ao processo de perda de vida.

publicado por diariodeumfrustrado às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 4 de Junho de 2013

430

Estou farto. Farto de pessoas que me dizem como não devo ser. Farto de pessoas que me dizem como tenho de ser. Farto de pessoas que me vigiam para verem como estou a comportar-me. Farto de pessoas que me apontam o dedo. Farto de pessoas que fingem que eu não existo. Farto de pessoas que não me vêem. Farto de pessoas que amuam se eu não faço o que elas querem. Farto de pessoas que querem que as cumprimente como e quando querem. Farto de pessoas que me olham com desprezo. Farto de pessoas que censuram a minha forma de vestir e como me apresento ao mundo. Farto de pessoas que só olham para os meus defeitos. Farto de pessoas que me usam. Farto de pessoas que assumem que não gostam de mim sem ter motivo aparente. Farto de pessoas que demonstram que não gostam de mim mesmo sem me conhecerem minimamente. Farto de pessoas que defendem os bons costumes e a moral conservadora. Farto de pessoas que pressionam os outros. Farto de pessoas que fazem chantagem. Farto de pessoas sem carácter. Farto de pessoas fúteis. Farto de pessoas que me sufocam. Farto de pessoas que olham para mim como se eu fosse um fardo. Farto de pessoas que me fazem sentir um autêntico lixo. Farto de pessoas que ignoram o que eu digo e depois repetem o que eu digo como se a autoria fosse delas. Farto de pessoas que julgam as aparências. Farto de pessoas que se metem na vida dos outros. Farto de pessoas que acham que sabem como é que os outros devem viver. Farto de pessoas que me martirizam se deixo 1 pêlo de barba por fazer. Farto de pessoas que me mentem. Farto de pessoas que não me deixam em paz. Farto de pessoas que não aceitam opiniões. Farto de pessoas. Farto do mundo. Farto de mim. Farto de tudo.

publicado por diariodeumfrustrado às 21:58
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Maio de 2013

429

Há dias, em que só quero acabar com esta vida de vez. De que vale andar aqui à deriva e a acreditar num amanhã que não vai ser melhor do que hoje ou do que ontem?

 

O problema é que esta vontade já deixou de ser frequente para passar a ser diária. Só tenho como obstáculo a família que não merecia um desgosto destes...

publicado por diariodeumfrustrado às 19:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 30 de Março de 2013

428

Casa-Trabalho-Casa. Dia-a-dia do costume. Chegar a casa, todos os dias, e estar sozinho. Não ver ninguém. Casa em silêncio. Enlouquecer lentamente... é esta a minha sina.

publicado por diariodeumfrustrado às 23:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2013

427

Tive 2 anos aparentemente estáveis e equilibrados. A vida não me corria muito mal e isso, para mim, era sinal que as coisas até corriam muito bem. Fui adaptando-me e fui aceitando a situação que tinha. Não era boa, mas também não era má.

 

Não tenho o hábito de me pronunciar sobre política e nem sou de esquerda ou de direita. Sou apartidário e não me meto em politiquices. Ainda assim, o que tem sido feito em Portugal tem mexido comigo e de que maneira. Dou por mim a trabalhar bastante e a ter cada vez menos dinheiro. Assinei um contrato com o meu patrão e tenho menos dinheiro para manter um estilo de vida que a expectativa daquele contrato assinado me criou. Agora corro o risco de ter de perder boa parte do pouco que tenho e que foi conquistado com um esforço que só eu sei. Sinto-me completamente perdido.

 

Bem sei que muitos nem trabalho têm e outros ganham menos do que eu. Mas tudo o que me vem parar às mãos tem um destino fixo e não é o luxo, é garantir que tenho condições para ultrapassar o próximo mês. Não vivo. Sobrevivo. Luto para conseguir sobreviver. O próximo mês não sei como será. Entretanto, os filhos da puta continuam a gozar com a minha cara na televisão. Não são só os PSD e CDS. São também os socialistas, que já sabemos o que fizeram ao país, os comunistas, que ainda agora tiveram uma camarada reformada com 47 anos, e os do Bloco de Esquerda, por terem uma agenda própria e não do país. São também os outros que já lá estiveram e nada fizeram e agora são oráculos dos média para mudar a própria merda que fizeram.

 

É difícil estar nesta situação. É difícil acreditar no futuro quando o presente é negro e quando vemos que damos passos em frente, mas a luz ao fundo do túnel fica cada vez mais distante. Não faz sentido. Não devia fazer sentido. Sinto que nunca vou conseguir dar o salto. Vivemos num país onde o mérito é irrelevante. Como dizia o Woody Allen, "80% do sucesso é aparecer". Tinha razão. Não precisamos de talento, mas sim de bons amigos ou de saber seduzir quem tem poder para decidir. Este é o mundo filho da puta em que estamos e sinto muitas dificuldades em adaptar-me a ele.

 

Deixei de me conseguir concentrar no trabalho. Já nem me consigo concentrar fora dele. Vegeto. Dou por mim perdido a divagar em coisas que raramente me lembro. Uma delas tenho a certeza do que se trata e volta a adensar-se no meu pensamento. É muito difícil dar a volta a etsa situação. Dificilmente conseguirei. Valerá a pena continuar a viver? Hoje, ao final do dia, tirei alguns minutos de reflexão. Nunca, nem mesmo nas minhas piores angústias do passado, senti tanta vontade de tirar a minha vida. Não fosse a minha família, aos quais deixaria uma pesada herança de desgosto, e tenho a certeza que já o tinha feito. Não vale a pena insistir. Mas esta saída é cada vez mais forte no meu pensamento.

publicado por diariodeumfrustrado às 20:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Eu

pesquisar

 

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Recente

438

436

435

434

433

432

430

429

428

427

Lágrimas passadas

Setembro 2015

Dezembro 2013

Agosto 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Janeiro 2013

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds